Selecione a cidade:   Rondônia, 04 de abril de 2020   |  Vídeos   |  Notícias Fotos e eventos

Mais 5 escolas públicas de Rondônia passam a ter ?modelo militar?

Tamanho do texto:  A+     A-         Imprimir
radiowebmidia, 18/02/2020 17h41

 (Foto: ) Ampliar
(Foto: )

Mais cinco escolas da rede pública estadual passam a ser militarizadas, como o colégio Tiradentes, em Porto Velho. Os decretos foram assinados nesta segunda-feira (17) pelo chefe de Rondônia, Coronel Marcos Rocha (PSL).

A cerimônia de assinatura dos decretos que militarizaram as instituições de ensino ocorreu no pátio do CPA e contou com a presença de várias autoridades.

A partir de agora, passam a ser escolas militares após a assinatura do governador:

Padre Ezequiel Ramin, em Alta Floresta do Oeste;
28 de Novembro, em Ouro Preto do Oeste;
Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, em Cacoal;
Alkindar Brasil de Arouca, em Guajará-Mirim, e;
Raimundo Cantanhede, em Jaru.
De acordo com a Secretaria de Estado de Educação (Seduc), as escolas tiveram as melhores avaliações no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB). Ao todo, são 13 escolas no mesmo perfil em Rondônia.

A medida faz parte da campanha do governo e do plano estratégico do estado. Com a militarização, a gestão deixa de ser da Seduc.

Mais 5 escolas da rede pública passam a ser militarizadas em Rondônia

Defensor da disciplina, da ordem e da educação mais conservadora, o governador de Rondônia, Coronel Marcos Rocha, comentou a mudança que passa a ocorrer nessas escolas a partir de agora.

“Eu vejo o colégio militar como uma outra forma de você educar. Não podemos desmerecer a educação tradicional tanto na modalidade normal quanto na integral, que é outra área que queremos abranger e fortalecer. Mas temos que entender que o colégio militarizado é para aquelas crianças que gostam da área. É somente a forma de receber o professor em pé, de prestar continência, de saber que entre os alunos também tem hierarquia. Isso é bom para o Brasil. Isso é bom para o nosso estado. Isso é bom para as famílias”, declarou.

Na mesma solenidade, foram entregues 15 caminhonetes à Seduc. O recurso, de quase R$ 2 milhões, veio do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) do Governo Federal.

Eles serão utilizados para conselhos como de alimentação, comissões de fiscalização das regionais, entre outros serviços executados pela pasta.

Escola cívico-militar
O modelo difere das escolas militares que são gerenciadas pelas Forças Armadas. O Ministério da Educação (MEC) explicou que as atribuições das secretarias estaduais de educação serão preservadas e os oficiais da PM e Corpo de Bombeiros devem atuar como monitores na gestão educacional.

Na prática, a gestão será compartilhada, onde educadores ficam responsáveis pela parte pedagógica e os militares, da administração e da disciplina, além de cuidarem da área psicossocial.

A ideia inicial do governo é estabelecer 216 novas escolas cívico-militares em todo país até 2023. Com a iniciativa piloto em 2020, 54 instituições serão readaptadas para aderirem ao perfil escolar militarizado.

 

Comentários
Comente direto do Facebook

Últimas notícias
Enquete
Qual das seguintes categorias melhor descreve seu status de emprego?

 

Escolha sua cidade:   Editoriais:  
Fotos e eventos
  |  Notícias
  |  Vídeos
Compartilhe você também:
  
  
  
© Copyright 2020 DiarioDaki - Todos os direitos estão reservados Anunicie conosco | Fale conosco | Política de privacidade | Área restrita